quarta-feira, fevereiro 06, 2013

Levantando âncora, By Wagner Bezerra Pontes


Image by Karina Freitas

By:Wagner Bezerra Pontes 
Um texto interessantissímo acerca do valor da literatura foi publicado no Suplemento de Pernambuco e afirmo categoricamente esse grande interesse por parte da sociedade brasileira, ainda que seja uma minoria atuante nas e das palavras, pois vivemos cercados de imagens. Estas que cada vez mais tendem a se tornar banais (mas que será tema de meu próximo post). 

Nas últimas décadas a grande massa de leitores vêem lutando também para ter, fazer e ser parte de um processo em crescimento. Blogs e mais blogs que começam sem uma pretensão ou simplesmente no desejo de comunicar àqueles que retém os mesmo gostos e anseios (falo em em especial do mundo literário), fazendo com que indivíduos sonhem com a sua palavra lida proferida e quem sabe até reescrita repetidas vezes nas redes sociais (Facebook e o Twitter). Ás vezes em busca de um status, reconhecimento ou apenas admiração etc. Já que nem todos são hábeis com as palavras e pensamentos. Cativar muitas pessoas com alguma palavra que reconforte (auto ajuda) ou faça pensar (filosofia). Na Literatura pode existir muito disso de modo aparente, o que não é fácil de ser percebeido por alguns, e também não se trata apenas de entretenimento ou pura imaginação jogada no papel como imagens de sonhos. Milhares de exemplos poderiam ser citados aqui, mas não o farei para não cansar o leitor (se é que há algum...) e para não perder o foco do assunto.

Quem nunca presenciou a maçante criação de grupos, perfis, páginas e compartilhamentos de frases e/ou fragmentos de escritos de famosos escritores respeitados ou não (inclui-se aqui os anônimos, ou seja, os aspirantes)?!  Uma preocupação exarcebada em querer e ser parte de um traço da realidade, não é algo novo de se falar. 

A Literatura talvez não tenha e nunca tenha tido a pretensão de querer salvar algo ou alguém com as palavras (não serei taxativo em levantar questões já muito discutidas sobre aqueles que consideram grande ou pequena), mas acredito como o autor do texto no poder que a palavra tem em fazer buscar dentro de si um mundo, uma realidade, um traço qualquer que seja para nos manter firmes. A arte vêm para abrir os olhos, tirar o véu que esconde ou  embaça a visão de um amante frente a seu amor (dor). O homem pra se manter vivo precisa de uma busca, um sentido ou uma fuga que caiba melhor no espirito, a literatura terá o seu devido papel. 

Por isso diante de  tudo que permeia meu ser, volto atrás de minha decisão. Não esqueço que escrevo porque algo me "co-move" a este fim, desejo talvez encontrar uma resposta ou um fugir?! Não sei! Será que tudo não passa de um drama existencial e banal criado sem razão?! Não sei. A escrita têm seu fim e preciso dar um propósito. Coloco aqui as reticências que tanto me acompanham e tanto me fadigam... Este blog não pode parar, mesmo que apenas compartilhe palavras e sentidos 'para com uma salvação ou fuga' a partir de outrem. Minha luta contra este demônio que rir sempre será expurgado de um forma ou de outra seja por palavras ou não. Já que a linda e pura razão de um tempo marcado no papel pode sobreviver ao infinito da luz que arde por si.

2 comentários:

Paulo Avelino disse...

Olá Wagner,

Creio que a literatura enfrenta hoje o maior desafio (e a oportunidade) desde Gutemberg: sua transição para o meio digital. Parabéns.

Abraços, Paulo Avelino
http://amhitar.blogspot.com.br

Wagner Pontes disse...

Olá Paulo, concordo com você plenamente!

Abraço! ;)