sexta-feira, novembro 30, 2007

Sombras-Olhar Interior

Todos temos guardado no mais íntimo de nosso ser um lado sombrio.Aqueles aspectos que não revelamos as pessoas. São conteúdos ás vezes mesquinhos, desconfiados, mentirosos,pequenos, raivosos, medrosos, que incomodam, mas que permanecem. Ao longo dos anos, eles vão cada vez refugiando-se em nosso interior. Ficam dias, meses, anos, escondidinhos. Bem dentro, até que de repente alguma pessoa, situação, uma discussão faz emergir aquele aspecto. Ele irrompe feito um vulcão e devasta o que está ao redor e a nós mesmos. Nosso interior murcho num auto-ressentimento que faz dó. Ficamos de ressaca por alguns dias até que tudo volta ao normal. A aceitação pode ser um elemento capaz de proporcionar-nos ferramenta para transformarmos estes aspectos tão daninhos à nossa evolução e crescimento. Claro que junto com conversas com amigos, longos momentos de silêncio, psicoterapia, e vontade férrea de mudar. Aceitar nosso jeito (mesquinho e egoísta), que Wilhelm Reich, psicanalista austríaco, definia como peste emocional, pode ser uma forma de livrar a energia de culpa que advém deste traço e energia para transformar o difícil ou inaceitável em nós. O incentivo ligado à força de vontade de ultrapassar barreiras que existem em nossos comportamentos dá potência para a construção da pessoa interior que desejamos ser e realizar. Mudar é uma arte que requer acalmar nossos elementos internos. Pacificar nosso fogo, soprando a água de nossa humildade com o vento das árvores de nossos pulmões, com os pés no chão. Arte que requer paciência e perseverança. como dizem os mexicanos, adelante.
Jornal do Comércio, 5 de Março de 20006- jayme@libertas.com.br

Um comentário:

Nata disse...

Ainda estou levando aos poucos... são só 45 minutos... tú sabes, né? No que dia em que arrumarmos respostas definitivas para todas aquelas questões, podemos esperar o encaminhamento para o psiquiatra... :P

Beijo e um bom domingo!